São Paulo: Ferroviários se reunirão para debater ação de resistência contra privatizações no dia 5/2

A reunião acontecerá na sede da CUT e tem apoio da Federação Interestadual dos Trabalhadores Ferroviários e CNTTL

Por: Viviane Barbosa, da Redação da CNTTL
Publicação: 15/01/2020 às 16:39 - Atualização: 15/01/2020 às 17:42
Imagem de São Paulo: Ferroviários se reunirão para debater ação de resistência contra privatizações no dia 5/2

Valmir de Lemos, Índio - presidente do Sindicato da Central do Brasil - foto: divulgação

Preocupados com a agenda “privatista” dos governos federal (Bolsonaro- sem partido) e estadual (João Dória/PSDB), os ferroviários irão debater o tema em reunirão, no dia 5 de fevereiro, às 13h, na sede da CUT, em São Paulo.

O encontro é promovido pelo Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil e conta com o apoio da Federação Interestadual dos Trabalhadores Ferroviários da CUT (FITF) e da CNTTL. 

Em entrevista às páginas amarelas da Revista Veja, publicada no dia (10), o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, reforçou a agenda privatista, de entrega do patrimônio público para iniciativa privada, e informou que em 2019 foram realizados 27 leilões de concessão, entre estradas, aeroportos e ferrovias.

O ministro disse à Veja que neste ano já estão programados 44 leilões neste ano, sendo 22 de aeroportos. Os dois maiores, Santos Dumont, no Rio, e Congonhas, em São Paulo, passarão ao setor privado até 2022.

Sobre o modal ferroviário, Tarcísio disse que hoje, 15% das cargas são transportadas por trens e com a privatização aumentará para 30% em 2025.

O presidente  do Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil, Valmir de Lemos, mais conhecido como Índio,  rebateu essa informação do ministro, afirmando que a “privatização não irá melhorar o transporte de malha ferroviária no país”.

“A privatização não irá resolver os problemas do setor. Têm os gargalos e a competição com o transporte rodoviário. E ainda tem mais: a malha ferroviária no Brasil está diminuindo”, conta o sindicalista.

Enquanto o governo Bolsonaro quer "privatizar tudo", o governo alemão anunciou que irá investir 86 bilhões em suas ferrovias, visando modernizar e tornar mais eficiente malha ferroviária do país, fazendo com que mais passageiros troquem carro e avião por trens. 

Detalhe: a maior parte do dinheiro sairá dos cofres federais. O governo alemão arcará com 62 bilhões de euros, enquanto a DB deverá investir 24 bilhões de euros.

Resistência 

Índio disse ao Portal da CNTTL que o momento é de construir ações de resistência, em conjunto com o Macrossetor da CUT (que reúne Confederações de Trabalhadores dos setores de comércio e serviços), para barrar qualquer privatização tanto nas ferrovias, como em outros setores.

"Nessa reunião, no dia 5/2, faremos isso. Precisamos criar um plano de ação unificado. As privatizações só trarão mais desemprego e beneficiarão apenas os empresários”, disse.

O Sindicato da Central do Brasil representa cerca de 10 mil ferroviários e ferroviárias das seguintes empresas: Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), Central Logística (Rio), Super Via (Rio), VALEC Engenharia, Construções e Ferrovias  (Federal),  Rede ferroviária em Taubaté, a MRS e as ferrovias da cidade de Pindamonhangaba (SP) até Campos do Jordão (SP).


Leia também:
Alemanha vai investir 86 bilhões em suas ferrovias


Redação CNTTL

Secretário Nacional de Comunicação: José Carlos da Fonseca - Gibran
Agência: Mídia Consulte Comunicação &Marketing 

Editora e Assessora de Imprensa:Viviane Barbosa MTB - 28121 
WhatsApp Redação: (11) 96948-7446


Siga a CNTTL nas redes sociais:
www.facebook.com/cnttloficial
www.twitter.com/cnttloficial
www.youtube.com/cnttl
Modalcast https://spoti.fi/2YAFWKn #Episódio 4

Mídia

Filiados

Canal CNTTL

+ Vídeos

Cobertura Especial

Parceiros

Boletim Online

Nome:
Email: