#2ºCongressoFUTAC Politização dos trabalhadores e o combate ao trabalho infantil abrem debates do segundo dia

O deputado Arlindo Chinaglia e o desembargador do Tribunal do Trabalho da 15ª Região, João Batista Martins falaram sobre os assuntos

Por: Vanessa Barboza e Viviane Barbosa, Redação CNTTL
Publicação: 27/09/2019 às 16:37 - Atualização: 27/09/2019 às 16:50
Imagem de #2ºCongressoFUTAC Politização dos trabalhadores e o combate ao trabalho infantil abrem debates do segundo dia

Deputado Arlindo Chinaglia em fala - Foto: Francine Scudeler

Na manhã desta sexta-feira (27), segundo dia do  2º Congresso Regional da América da FUTAC, foram realizados importantes debates com o deputado federal, Arlindo Chinaglia (PT/SP), e o desembargador do Tribunal do Trabalho da 15ª Região, João Batista Martins. O evento reúne  40 delegações internacionais e 150 dirigentes de sindicatos dos trabalhadores em transportes de países como Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Bolívia, Peru, Colômbia, Venezuela e Equador, Cuba e Espanha. 

Em sua fala, Arlindo falou sobre a recente declaração do presidente Jair Bolsonaro que rebateu a fala de Michelle Bachelet, ex-presidenta do Chile e hoje comissária das Nações Unidas para direitos humanos. Bachelet disse que desde 2002, o Brasil é um dos cinco países do mundo com o maior número de assassinatos de ativistas de direitos humanos. Ela disse ainda que é visível um considerável aumento na violência policial em 2019, em meio a um discurso público que legitima execuções sumárias e a ausência de responsabilização.  

Bolsonaro rebateu, elogiando o ditador Augusto  Pinochet e criticou o pai dela, que foi torturado e morto durante a ditadura, que começou em 1973 e terminou em 1990. 

"Só nos enche de vergonha esse governo, que só sabe atacar a esquerda, lembrando que nunca existiu socialismo na fase da terra, e mentir sobre o que acontece no Brasil ", frisa Chinaglia.

Arlindo falou que a direita no Brasil está muito "assanhada"  e vem adotando uma agenda política devastadora, citou como exemplo o pacote de privatizações de várias empresas estatais, entre elas Petrobrás e e Eletrobras. “Estamos em um momento ruim no Brasil. 175 pessoas são assassinadas por dia, o que equivale a um avião por dia, mas quem está nesse avião são pobres e negros. Além disso, a economia segue ladeira abaixo.  A situação não é muito diferente na Argentina, o governo Macri é um desastre. Temos que nos organizar”, alertou. 

Politização do trabalhador 

O parlamentar falou que o Congresso da FUTAC é uma oportunidade de trocar experiências e a saída para enfrentar os ataques e retrocessos às conquistas do povo brasileiro é a politização dos trabalhadores, também é fundamental a capacidade de luta e saber qual é o seu lado.

“Com o trabalhador politizado, teremos mais poder de organização e desta forma evitaremos que os avanços sociais e os direitos que conquistamos ao longo de muitos anos não retrocedam", pontuou. 
 

#ChegaDeTrabalhoInfantil 

Para falar sobre a importância do movimento sindical levantar a bandeira contra o trabalho infantil, estimular a aprendizagem e a qualificação profissional, o Congresso recebeu o desembargador do Tribunal do Trabalho da 15ª Região, João Batista Martins. Também participou dessa mesa a presidente do Conselho da Criança e do Adolescente de Sorocaba, a doutora Angela Cardoso Ribeiro.

Desembargador do Tribunal do Trabalho da 15ª Região, João Batista Martins 

O desembargador falou sobre a parceria do Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba com o Ministério Público do Trabalho (MPT), em 2017, que resultou a criação do Espaço Cultural dos Rodoviários.  “O local oferece a dezenas de crianças e adolescentes de 4 a 16 anos, em situação de vulnerabilidade social, aulas de artes marciais, capoeira, inglês, português, libras, teatro, danças urbanas, fotografia e violão”, relatou. Atualmente, o projeto em Sorocaba atende 120 crianças e adolescentes.

Martins disse aos demais sindicatos dos trabalhadores em transportes para divulgar a campanha #ChegaDeTrabalhoInfantil em suas bases. "Temos que romper esse ciclo de miséria e violência. Queremos construir um mundo menos desigual e, para isso, é fundamental que as crianças e adolescentes tenham oportunidades", destaca. 

 

O presidente da CNTTL, Paulinho, reforçou a importância de mais sindicatos abraçarem nobre essa Campanha. "Temos sindicatos com estrutura e podemos utilizá-la para envolver crianças e jovens contra o trabalho infantil", enfatizou.




Acesse aqui abaixo apresentação do programa Chega de Trabalho Infantil:
Baixe a aprensentação

Transportando CNTTL-CUT
Secretário Nacional de Comunicação: José Carlos da Fonseca - Gibran
Agência: Mídia Consulte Comunicação

Editora:Viviane Barbosa MTB - 28121 
Redatora: Vanessa Barboza MTB-74572
Assessoria de Comunicação: Mídia Consulte 
Redação: Imprensa /CNTTL :: Transportando o Brasil 
Siga-nos: http://www.twitter.com/cnttcut
Flickr: http://www.flickr.com/photos/cnttcut/

Mídia

Canal CNTTL

+ Vídeos

Cobertura Especial

Parceiros

Boletim Online

Nome:
Email: