Pré-sal: por dois votos, Senado põe em risco futuro da Petrobras

Começa nesta quarta (24), o debate do projeto de José Serra (PSDB-SP) que retira a obrigatoriedade da estatal estar presente com o mínimo de 30% dos consórcios

Por: Com PT na Câmara
Publicação: 24/02/2016
Imagem de Pré-sal: por dois votos, Senado põe em risco futuro da Petrobras

divulgação

Com mais de 25 senadores inscritos, o plenário do Senado dará início a partir desta quarta-feira (24), às 14 horas, ao debate do mérito do projeto de José Serra (PSDB-SP) que retira a obrigatoriedade de a Petrobras estar presente com o mínimo de 30% dos consórcios que forem explorar o pré-sal.

Na terça-feira, por mais de duas horas, os senadores discutiram o requerimento que propunha a retirada de urgência do projeto (PLS nº 131/2015). Três senadores a favor da retirada da urgência de votação – Simone Tebet (PMDB-MS), Lindbergh Farias (PT-RJ) e Roberto Requião (PMDB-PR) – e três favoráveis – José Serra (PSDB-SP), Omar Aziz (PSD-AM) e Romero Jucá (PMDB-RR) – mostraram suas razões.

Serra se agarrou na cantilena que a Petrobras está com dívida elevadíssima e precisa fazer caixa. Na visão entreguista dele, o negócio é retirar a obrigatoriedade e abrir as portas para as petroleiras virem explorar o pré-sal dos brasileiros. Omar Aziz reclamou que a Petrobras não investe no Amazonas e ficou nisso, enquanto que Romero Jucá falou da necessidade de fazer caixa, na mesma linha de Serra.

Os senadores que queriam a retirada do regime de urgência do projeto mostraram a manobra que se fez para essa proposta ser analisada a toque de caixa. Simone Tebet apontou que se criou uma comissão especial e que o projeto não percorreu as diversas comissões do Senado, onde todo senador poderia oferecer mudanças. “Não defendo o governo. Meu interesse é com a verdade e a soberania nacional. Esse projeto fere a nossa soberania e vai acabar com a indústria nacional”, disse ela, acrescentando que “com minha digital esse projeto não prospera, porque decreta à morte a soberania nacional”.

Já Lindbergh questionou a pressa com que Serra quer votar esse projeto, até porque um leilão para exploração do pré-sal só está previsto para 2017. Ele lembrou que o projeto de Serra só interessa às petrolíferas internacionais, que estão atrás de reservas. O perigo de retirar a obrigatoriedade da presença da Petrobras com 30% nos consórcios está num prisma muito mais amplo do que o discurso de Serra de que ajudaria a empresa reduzir seu endividamento, administrável neste momento.

Ele mostrou que na ânsia de entregar suas reservas, a Indonésia vendeu reservas de seus campos a US$ 1,00 e quando o cenário mudou se viu obrigada a comprar o petróleo que produzia pagando US$ 100,00 para a empresa estrangeira. Isso aqui é soberania.

Roberto Requião iniciou sua fala dizendo que subia à tribuna com um manto, constituído da bandeira nacional. Ele disse que o projeto de Serra é, sim, entreguista e questionou a pressa de entregar para as petrolíferas internacionais o pré-sal brasileiro. “Estão levando a discussão de um problema sério de maneira frugal, leviana. Querem mexer num pior momento possível, quando o barril está com preços baixos”, afirmou.

Requião disse que não há qualquer razão para mudar a Lei da Partilha e o Senado Federal não pode ser cúmplice de uma ação entreguista da riqueza que é dos brasileiros, dos filhos e dos netos e das gerações futuras. Para ele, há de ter responsabilidade e compromisso com o futuro do País e não entregar o patrimônio de mão beijada para atender os interesses de multinacionais.

 

 

Transportando CNTTL-CUT
Secretário Nacional de Comunicação: José Carlos da Fonseca - Gibran
Agência: Mídia Consulte Comunicação

Editora:Viviane Barbosa MTB - 28121 
Redatora: Vanessa Barboza MTB-74572
Assessoria de Comunicação: Mídia Consulte 
Redação: Imprensa /CNTTL :: Transportando o Brasil 
Siga-nos: http://www.twitter.com/cnttcut
Flickr: http://www.flickr.com/photos/cnttcut/

Mídia

Canal CNTTL

+ Vídeos

Cobertura Especial

Parceiros

Boletim Online

Nome:
Email:

Filiados