Não ao novo aumento do Diesel: CNTTL pede aos ministros Guedes e Tarcísio manutenção do decreto de redução para caminhoneiros

O decreto que reduziu a alíquota do preço do diesel vigorou entre março e termina hoje, último dia útil de abril.

Por: Viviane Barbosa, Redação CNTTL
Publicação: 30/04/2021
Imagem de Não ao novo aumento do Diesel: CNTTL pede aos ministros Guedes e Tarcísio manutenção do decreto de redução para caminhoneiros

cópia dos ofícios

Preocupada com os custos que os caminhoneiros autônomos arcam com seus caminhões, a  CNTTL (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística) encaminhou ofício aos ministros da Infraestrutura, Tarcisio Freitas e da Economia Paulo Guedes, pedindo para que prorroguem o decreto 10.638, que reduziu a zero as alíquotas da contribuição do PIS/CONFINS incidentes sobre a comercialização e a importação do óleo diesel e do GLP de uso residencial.

O decreto que reduziu a alíquota do preço do diesel vigorou entre março e termina hoje, último dia útil de abril. Só continuará permanente a redução das alíquotas do gás de cozinha não possuindo data para ser encerrada. 

No documento enviado aos ministros, a CNTTL pede que esse Decreto continue valendo até que as medidas compensatórias, editadas pela Medida Provisória n.º 1.034, DE 1º DE MARÇO DE 2021 que mantém a zero as alíquotas da contribuição do PIS/CONFINS, sejam confirmadas pelo Legislativo, virando assim Lei.

Para o porta-voz da CNTTL, o caminhoneiro autônomo, Carlos Alberto Litti Dahmer, presidente do Sinditac (Sindicato dos Transportadores Autônomos de Carga) de Ijuí-RS, e vice-presidente da CGTB, o fim desse decreto é mortal para categoria.

“Para nós caminhoneiros o fim desse decreto representa um aumento de 0,35 centavos a mais nos nossos custos. Para nós é mortal, diante de uma economia fragilizada e de um frete reduzido. Além disso, o aumento do diesel também acarretará impactos no comércio que repassará esse aumento para o povo, que já está sofrendo com essa pandemia de COVID-19 e com o desemprego em massa, que passa da casa dos 14 milhões", alerta Litti.


No documento, a CNTTL reforça que os aumentos dos combustíveis não pararam em nenhum momento e que os caminhoneiros autônomos e celetistas continuam conduzindo o progresso do país, transportando cargas de norte a sul.

“Os benefícios da redução das alíquotas do PIS/CONFINS sobre o óleo diesel nestes dois meses foram importantes para os caminhoneiros, mas por causa do elevado aumento dos insumos, as suas despesas ficaram no mesmo patamar e em alguns lugares até pior do que estavam antes, por isso, é fundamental a manutenção dessa redução”, explica o presidente da CNTTL, Paulo João Estausia.

A CNTTL representa 800 mil caminhoneiros autônomos e celetistas representados em todo o país.

Confira aqui os ofícios enviados aos ministros:

https://cnttl.org.br/files/pdf/ofcion-pdf628.pdf

https://cnttl.org.br/files/pdf/ofcion-pdf629.pdf


Redação CNTTL

Secretário Nacional de Comunicação: José Carlos da Fonseca - Gibran
Agência: Mídia Consulte Comunicação &Marketing 

Editora e Assessora de Imprensa:Viviane Barbosa MTB - 28121 
E-mail: jornalismo@midiaconsulte.com.br



Siga a CNTTL nas redes sociais:
www.facebook.com/cnttloficial
www.twitter.com/cnttloficial
www.youtube.com/cnttl
 

Mídia

Filiados

Canal CNTTL

+ Vídeos

Cobertura Especial

Parceiros

Boletim Online

Nome:
Email: