COVID-19: FUTAC manifesta solidariedade aos trabalhadores em transportes

No comunicado, a Federação destaca que é necessário reavaliar as atividades dos trabalhadores do setor de transportes que são chamados de “heróis”, mas na prática são tratados como “escravos”.

Por: Viviane Barbosa, da Redação da CNTTL
Publicação: 28/04/2020
Imagem de COVID-19: FUTAC manifesta solidariedade aos trabalhadores em transportes

Foto: Gerd Altmann por Pixabay

A FUTAC (Federação Unitária de Transportes, Portos, Pescas e Comunicações da América) divulgou na quarta-feira (29) comunicado às entidades filiadas da América Latina e Caribe. O comunicado conta com apoio da FSM (Federação Sindical Mundial) e da UIS (União do Transporte, Portos, Pesca e Comunicação). 

A entidade, que representa  cerca de 400 mil trabalhadores nos setores de transporte terrestre de passageiros/ cargas, portuário, aéreo, pesca e comunicações, se solidariza com os trabalhadores dos modais de transporte que, em meio à pandemia do novo coronavírus (Covid-19),  estão  trabalhando e arriscando suas vidas. A CNTTL (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística) é uma das organizações filiadas.

“Nosso setor é um dos mais vulneráveis ??do mundo, não apenas pelo tipo de trabalho realizado que envolve a mobilidade que atravessa fronteiras, mas também pelo grande número de trabalhadores independentes que tiveram que paralisar sua atividade produtiva e, portanto, sua renda mínima para sustentar suas famílias. Empregadores e governos têm propagado o discurso irresponsável de que os trabalhadores devem trabalhar para que a economia não pare, isso mostra que não se importam com a vida dos trabalhadores", cita trecho da nota da FUTAC.

No comunicado, a Federação destaca que é necessário reavaliar as atividades dos trabalhadores do setor de transportes que são chamados de “heróis”, mas na prática são tratados como “escravos”.

“Exigimos 100% dos salários para os dias de quarentena e confinamento e que os empregadores/ governos paguem pela crise e não os trabalhadores. É necessário que a ajuda do governo chegue aos trabalhadores que estão passando dificuldades por causa da crise”, destaca outro trecho do comunicado.

Impactos do Coronavírus nos transportes 

No documento, a FUTAC relata os impactos da pandemia da COVID-19 nos setores de transportes. 

Segundo a entidade, as companhias aéreas  reduziram drasticamente as operações em até 95%, o que gerou um forte impacto social e trabalhista sobre os trabalhadores.

“O tráfego de mercadorias por estrada e mar ficou praticamente paralisado e apenas a atividade essencial para a distribuição de alimentos e medicamentos, bem como as necessidades básicas, permaneceram”, informa.

Já o transporte público de passageiros urbanos, suburbanos, interestaduais e o metrô continuam operando mas de forma reduzida, e os trabalhadores tiveram cortes salariais e em alguns casos demissões arbitrárias.

Os portos e a marinha mercante também foram afetados pela perda de empregos. Os pescadores tiveram que amarrar seus barcos, cortando sua renda para sustentar suas famílias.
A maioria dos trabalhadores de telecomunicações está em home-office, trabalhando em jornadas exaustivas, por um salário menor.

“Os empregadores estão aproveitando a crise de saúde do COVID 19 para alterar as relações de trabalho, efetuando a redução de salários e direitos”, reforça.

Saúde e reativação econômica

A FUTAC faz um alerta sobre o desmantelamento dos sistemas públicos de saúde que se agravam ainda mais diante da pandemia do Coronavírus, que afeta, sobretudo, a classe trabalhadora e os setores populares. 

“Os empregadores não se importam com a vida dos trabalhadores. Sem trabalho não há produção de riqueza, então é hora de os trabalhadores refletirem que sem eles nada pode ser produzido e distribuído”.

A Federação vê com preocupação que a burguesia internacional continua a definir o ritmo do mundo do trabalho por meio da aprovação de leis prejudiciais aos direitos e defende a unidade da classe trabalhadora para enfrentar essa crise econômica e de saúde que assola todo o mundo.
 



A seguir confira a nota:

A classe trabalhadora deve se erguer diante da  Nova crise econômica

 

A Federação Unitária de Transportes, Portos, Pescas e Comunicações da América - FUTAC, quer antes de tudo enviar nossa solidariedade internacionalista a todo e qualquer trabalhador que, apesar da emergência do coronavírus (Covid-19), seja forçado a continuar trabalhando e arriscando suas vidas.

Nosso setor está sendo um dos mais vulneráveis ??do mundo, não apenas pelo tipo de trabalho realizado que envolve a mobilidade que atravessa fronteiras, mas também pelo grande número de trabalhadores independentes que tiveram que paralisar sua atividade produtiva e, portanto, sua renda mínima para sustentar suas famílias.

Os empregadores e seus governos irresponsáveis ??repetiram aos trabalhadores um discurso incansável de que devem trabalhar para que a economia não pare. O que podemos pensar é que os empregadores não se importam com a vida dos trabalhadores, mas, ao mesmo tempo que, sem trabalho não há produção de riqueza, então é hora de trabalhadores em setores estratégicos de energia, mas principalmente de transportes, portos e comunicações, refletem que sem eles nada pode ser produzido e distribuído. Os trabalhadores devem aproveitar a oportunidade de pensar sobre o poder da autogestão e da gestão direta da produção sem capitalistas, sobre o exercício de seu poder.

Na falta ou insuficiência de dispositivos de segurança, que colocam em risco a saúde e a de seus familiares, enviamos nossa solidariedade a todos, principalmente aos precários, que, devido a esta crise, estão perdendo a vida, estão sem empregos e sem salário.

Por outro lado, o desmantelamento dos sistemas públicos de saúde agrava ainda mais uma pandemia que afeta, sobretudo, a classe trabalhadora e os setores populares, incluindo os agrupados na FUTAC, na UIS de transportes, portos, pesca e Comunicação setorial da Federação Mundial de Sindicatos - FSM.

Não é o mercado que deve decidir!

Estamos absolutamente conscientes dessa grave crise e de como ela está afetando os trabalhadores nos setores na aviação, pois o coronavírus se espalhou amplamente pelos aeroportos do mundo, onde as companhias aéreas são forçadas a reduzir as operações em até 95%, o que gerou um forte impacto social e trabalhista sobre os trabalhadores.

O tráfego de mercadorias por estrada, via férrea e mar ficou praticamente paralisado e apenas a atividade essencial para a distribuição de alimentos e medicamentos, bem como as necessidades básicas, permaneceu.

O transporte público de passageiros urbanos, suburbanos, interestaduais e o metrô permanecem em atividade de trabalho mínima, com cortes salariais e demissões arbitrárias.

Os portos e a marinha mercante também são afetados pela perda de empregos. Nossos pescadores foram forçados a amarrar seus barcos, cortando sua renda para sustentar suas famílias.

A maioria dos trabalhadores de telecomunicações foi forçada a trabalhar em casa, oferecendo seus meios pessoais para manter as atividades comerciais a um custo menor para os empregadores e continuar aumentando suas taxas de lucro.

Um futuro incerto aguarda todos eles, alguns para reiniciar sua atividade laboral, outros diante da incerteza das demissões em massa. Os empregadores estão aproveitando a crise de saúde do COVID 19 para reajustar as relações de trabalho, o ajuste de funcionários ou a redução de salários e direitos.

Por outro lado, a reativação econômica ocorre sem as medidas mínimas de proteção individual que colocam em risco os trabalhadores da saúde e suas famílias.

A burguesia internacional continua a definir o ritmo do mundo do trabalho por meio de novas leis aprovadas nos parlamentos nacionais, e implementadas pela polícia e pelos exércitos nacionais.

Da Federação Unitária de Transportes, Portos, Pescas e Comunicação, nós denunciamos com veemência que esta nova crise sanitária está sendo tratada por aqueles que não conseguiram lidar com ela. A nova crise econômica do capitalismo deve receber uma solução capitalista, colocando a saúde das empresas à frente da saúde das pessoas. Eles querem reinventar o capitalismo quando todos os trabalhadores do mundo souberem que a solução é acabar com esse sistema genocida, que coloca os resultados econômicos acima das pessoas.

É necessário recuperar os sistemas de saúde pública como garantidores de nossa saúde.

É necessário reduzir o horário de trabalho sem perda de poder de compra para distribuir o emprego e os lucros que eles geram.

É necessário tributar a atividade comercial e impedir a transferência de seus ganhos para paraísos fiscais para cobrir os Serviços Públicos.

É necessário reavaliar a atividade dos trabalhadores do setor que hoje são chamados de heróis, mas são tratados como escravos.

Exigimos 100% dos salários para os dias de quarentena e confinamento, que empregadores e governos pagam pela crise e não trabalhadores.

É necessário que a ajuda do governo chegue a trabalhadoras independentes e trabalhadores independentes, a fim de reiniciar sua atividade com garantias e sem incertezas.

Em suma, é necessário repensar a sociedade à qual o sistema capitalista nos levou a superar esse sistema criminal.

A classe trabalhadora internacional, e dentre elas a de nosso setor, deve elevar nossas vozes e armas para projetar um futuro que defenda nossos interesses. Nunca vimos antes que esses interesses estejam em desacordo com os dos empregadores internacionais.

 

E é mais necessário agora do que nunca gritar!

Proletários do mundo, uni-vos!

 

Santiago do Chile, 24 de abril de 2020


Redação CNTTL

Secretário Nacional de Comunicação: José Carlos da Fonseca - Gibran
Agência: Mídia Consulte Comunicação &Marketing 

Editora e Assessora de Imprensa:Viviane Barbosa MTB - 28121 
E-mail: jornalismo@midiaconsulte.com.br



Siga a CNTTL nas redes sociais:
www.facebook.com/cnttloficial
www.twitter.com/cnttloficial
www.youtube.com/cnttl
 

Mídia

Filiados

Canal CNTTL

+ Vídeos

Cobertura Especial

Parceiros

Boletim Online

Nome:
Email: