Havana: Encontro em Cuba entrega 2 milhões de assinaturas por Lula Livre

Representantes de partidos e movimentos de cerca de 80 países estão na capital cubana para debater desafios da esquerda

Por: Opera Mundi
Publicação: 04/11/2019
Imagem de Havana: Encontro em Cuba entrega 2 milhões de assinaturas por Lula Livre

Opera Mundi

A presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, recebeu, no último sábado (2), mais de 2 milhões de assinaturas de cubanos e cubanas a favor da liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A entrega foi feita durante o Encontro Anti-imperialista de Solidariedade, pela Democracia e contra o Neoliberalismo, que acontece em Havana até este domingo (3).

Hoffmann disse considerar “muito significativo” que as assinaturas tenham sido recolhidas em apenas 14 dias, em apoio à campanha internacional pela anulação dos julgamentos do ex-presidente brasileiro.

A líder petista aproveitou a oportunidade para criticar o presidente Jair Bolsonaro. “Está vendendo o Brasil, cortando os direitos do povo e tem como política de expressão o autoritarismo”, disse.

Encontro

Mais de mil representantes de partidos políticos e movimentos populares de cerca de 80 países estão reunidos na capital cubana para participar do encontro, evento que se propõe a debater os desafios da esquerda da América Latina contra os ataques do imperialismo e do sistema neoliberal na região.

Assinaturas

Durante as reuniões de sábado, a secretária-executiva do Foro de São Paulo, Monica Valente, fez um chamado à união das forças nacionais e regionais para enfrentar o inimigo comum – que, nas palavras dela, é o neoliberalismo.

Por sua vez, o presidente da Assembleia Internacional dos Povos, Manuel Bertoldi, lembrou da importância e da necessidade de se montar blocos populares nacionais, assim como programas políticos construídos pelos povos da região.

Já o intelectual cubano Abel Prieto pediu que a esquerda dê atenção à “guerra cultural” que se está vivendo. Ele assinalou o fenômeno que chamou de “gestação do pobre de direita”. “Uma criatura que vota contra si mesma, contra sua família, contra o destino dos seus filhos. Na hora de definir-se politicamente, define-se por seus opressores”, afirmou.

Prieto pediu um outro “modelo de comunicação”, com “democratização real”. “Fazer um arranhão na pedra, para conseguir que a verdade encontre um espaço através da cultura de resistência”, disse.

Ainda sobre o mesmo tema, o equatoriano Amauri Chamorro afirmou que “crises políticas não se resolvem com hashtags”. “Nada pode substituir o porta a porta. Se fosse assim, Cuba, Venezuela ou Nicarágua não teriam sobrevivido à ofensiva que viveram”, disse. “Temos que ser menos chatos como esquerda. Inovar, ser vanguarda. Não modernizamos nosso discurso para disputar esse público que tem menos de 40 anos”, avaliou.

Transportando CNTTL-CUT
Secretário Nacional de Comunicação: José Carlos da Fonseca - Gibran
Agência: Mídia Consulte Comunicação

Editora:Viviane Barbosa MTB - 28121 
Redatora: Vanessa Barboza MTB-74572
Assessoria de Comunicação: Mídia Consulte 
Redação: Imprensa /CNTTL :: Transportando o Brasil 
Siga-nos: http://www.twitter.com/cnttcut
Flickr: http://www.flickr.com/photos/cnttcut/

Mídia

Canal CNTTL

+ Vídeos

Cobertura Especial

Parceiros

Boletim Online

Nome:
Email: