Buenos Aires: Taxistas fazem protestos contra Uber e Cabify

A CNTTL manifesta apoio à luta dos taxistas argentinos em defesa de seu trabalho  

Por: Viviane Barbosa, da Redação da CNTTL site Página 12
Publicação: 04/10/2019
Imagem de Buenos Aires: Taxistas fazem protestos contra Uber e Cabify

Manifestação dos taxistas argentinos no dia 3 de outubro

Um grupo de taxistas da cidade de Buenos Aires, capital da Argentina, irá realizar nos dias 8 e 10 de outubro protestos contra as plataformas Uber e Cabify.

Segundo a Associação dos Motoristas de Táxi da Capital Federal (ATC) e do Sindicato dos Taxistas (SPT), a manifestação será em defesa do trabalho desses profissionais  e também denunciará os aplicativos que fornecem o mesmo serviço, mas, a seu critério, de forma irregular e ainda violam a Lei Nacional de Trânsito e Trabalho daquele país.

Segundo o site página 12, a Associação de Taxistas denuncia que são mais de 25 mil veículos que prestam serviços irregulares, resultando na perda de cerca de 10 mil empregos e no fechamdento de 90 empresas familiares.

No dia (3) os taxistas argentinos foram às ruas para protestar e pararam o trânsito em regiões  da cidade, tais como: Avenida Del Libertador e General Paz, Avenida Cabildo e Avenida General Paz, Avenida Ricardo Balbín e Avenida General Paz, Avenida Rivadavia e Avenida General Paz, Avenida Juan Bautista Alberdi e Avenida General Paz e Avenida 9 de Julio e San Juan. 

Resposta do Governo 

Em entrevista ao Página 12, Omar Viviani, dirigente do Sindicato dos Taxistas, exige do governo  "respostas concretas"  antes da instalação das empresas Uber e Cabify.

"Essas plataformas operam a partir de tecnologias sem autorização ou permissão, violando a Lei Nacional de Tráfego e fugindo de todas as leis trabalhistas, tributárias e sociais atuais no país", disse ao site o sindicalista. 

Brasil

Assim como na Argentina, os taxistas brasileiros de várias cidades do país também estão se mobilizando contra as empresas de plataforma de transporte. Os profissionais têm denunciado em protestos que a concorrência é injusta já que os motoristas da Uber não obedecem às regulamentações que os taxistas são obrigados a seguir. O embate, que já era acirrado, tomou proporções ainda maiores depois de um escândalo, em 2017, quando a empresa teria tentado lucrar com a greve dos taxistas no Rio de Janeiro.

Não apenas os taxistas estão defendendo seus direitos, mas as empresas de ônibus da cidade de São Paulo estão preocupadas com a concorrência com a Uber, em especial, com a modalidade “Uber Juntos”, pela qual passageiros que não se conhecem compartilham o carro, com pontos de embarque e desembarque definidos no momento da solicitação do serviço.

Em entrevistas ao Diário do Transporte, as empresas disseram que a empresa de tecnologia só tem licença para transporte individual de passageiros e a modalidade coletiva configura “concorrência predatória”.
 

Transportando CNTTL-CUT
Secretário Nacional de Comunicação: José Carlos da Fonseca - Gibran
Agência: Mídia Consulte Comunicação

Editora:Viviane Barbosa MTB - 28121 
Redatora: Vanessa Barboza MTB-74572
Assessoria de Comunicação: Mídia Consulte 
Redação: Imprensa /CNTTL :: Transportando o Brasil 
Siga-nos: http://www.twitter.com/cnttcut
Flickr: http://www.flickr.com/photos/cnttcut/

Mídia

Canal CNTTL

+ Vídeos

Cobertura Especial

Parceiros

Boletim Online

Nome:
Email: