Sorocaba: Justiça reconhece legalidade da paralisação dos trabalhadores no transporte urbano

Categoria realiza assembleia nesta quinta (27) para definir os rumos da luta

Por: Fabiana Caramez, Rodoviários de Sorocaba
Publicação: 27/07/2017
Imagem de Sorocaba: Justiça reconhece legalidade da paralisação dos trabalhadores no transporte urbano

Foto: Sindicato

Os trabalhadores e trabalhadoras em transporte urbano de Sorocaba, em greve desde o começo do mês, resistem às pressões e ameaças e seguem firmes lutando por melhores salários e melhores condições de trabalho. Nesta quarta-feira (25), a paralisação em Sorocaba chegou ao 21º dia, a mais longa já realizada na cidade.

Apesar das mentiras e da tentativa de criminalizar o movimento por parte do Prefeito José Crespo (DEM), a justiça reconheceu a legalidade paralisação. Na reunião realizada na segunda-feira (24), Hamiton Scarabelin, juiz relator do dissídio, reafirmou que a greve é um direito dos trabalhadores.

O juiz também pediu ao Sindicato a suspensão da greve. Os trabalhadores vão decidir se aceitam suspender o movimento ou não na quinta-feira (27), em duas assembleias, que serão realizadas às 10h e às 18h.

Tentativa de diálogo 

Desde o início da campanha salarial, o Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região buscou dialogar com as empresas STU e CONSOR e também com a Urbes - Trânsito e Transporte e com o prefeito José Crespo (DEM).
Não houve sucesso. As empresas demoraram mais de 100 dias desde o começo da campanha para fazer a primeira proposta. Chegaram à mesa de negociação sem oferecer um índice que cobrisse as perdas com a inflação do período e não garantiam nenhuma melhoria nos benefícios.

Com a intervenção do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT-15ª), a STU e a CONSOR mudaram e propuseram apenas repor a inflação. No entanto, mantiveram a linha de não oferecer melhorias nos benefícios.

Com isso, a greve teve início em Sorocaba. Mesmo assim, o Sindicato manteve a postura de buscar uma solução para o problema. Por quatro vezes a greve foi suspensa na tentativa de se chegar a um acordo.

Prefeito não cumpre a palavra 

 Com o avanço da paralisação e a população cada vez mais impaciente, os trabalhadores e trabalhadoras em transporte recorreram à Câmara de Vereadores. A pressão sobre os parlamentares deu resultado: a Casa Legislativa ofereceu antecipar a devolução de recursos economizados para a Prefeitura. O valor é mais que o suficiente para garantir os reajustes dos profissionais do transporte.

Com a repercussão do ato da Câmara, o prefeito Crespo aceitou pela primeira vez dialogar com Sindicato. No encontro, Crespo de sua palavra que faria uma proposta justa aos trabalhadores.
O sindicato, então, suspendeu a greve. Mas Crespo não cumpriu com o prometido. Sem a presença do prefeito na reunião, prefeitura e as empresas ofereceram repor a inflação e antecipar 1,57% da próxima data-base. Na prática, isso significa que o valor seria descontado na campanha salarial de 2018.

A proposta não foi aceita pela categoria e, em duas assembleias realizadas na quarta-feira (19), a retomada da greve foi aprovada por unanimidade.

Seguindo a lei - O Sindicato demonstrou boa vontade todo o tempo. Participou de cinco audiências no Tribunal Regional do Trabalho, as quais não tiveram a presença do prefeito Crespo e nem de nenhum representante do seu governo.

A entidade também cumpriu a determinação da Justiça. Em todo período de greve, manteve 70% da frota em circulação nos horários de pico e 50% nos demais horários e garantiu 100% do transporte especial em funcionamento.

Histórico de enfrentamento - Os trabalhadores e trabalhadoras em transporte de Sorocaba já tinham a consciência que não seria uma campanha fácil. O atual prefeito Crespo já havia enfrentado a categoria antes. Em 1990, quando era secretário de Transporte, Crespo perseguiu, agrediu, ameaçou e mandou prender os profissionais do transporte que lutavam por melhores condições de trabalho e melhores salários. Ele foi, também, que tirou os cobrados dos ônibus na cidade.

Agora, a tática de Crespo se repete. Pressões e ameaças, muitas vezes públicas, têm sido a forma que o prefeito escolheu para lidar com a situação, chegando a publicar, em conjunto com as empresas, anúncio de recolhimento de currículos.

Crespo alega não ter dinheiro para o reajuste, mas é o mesmo prefeito que aumentou o valor da passagem bem acima da inflação, em 7,89%, o que a imprensa local chamou de "um dos maiores já decretados na história recente do município".

Como se não bastasse, desde o início do governo, Crespo tem tentado criar cargos comissionados com salários que chegam a R$ 11 mil, impactando o caixa da prefeitura em R$ 2,8 milhões por mês.

Resistência e reivindicações - Com esse cenário, não restou alternativas para categoria que não seja resistir e mostrar a força da união. Nesses 16 dias de greve, os trabalhadores e trabalhadoras têm enfrentado as mais diversas dificuldades, mas seguem firmes na luta.

O Sindicato dos Rodoviários iniciou as negociações da Campanha Salarial 2017 em 31 de março, quando entrou a pauta de reivindicações para as empresas e também pra o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Os trabalhadores e as trabalhadoras em transporte urbano de Sorocaba exigem reajuste salarial de 4% retroativo a maio e 1,57% a partir de setembro, aumento no tíquete-refeição para R$ 21,00/dia a partir de novembro e na participação nos lucros e resultados (PLR) para R$ 1.600,00 pago no retorno das férias.

 


Redação CNTTL

Secretário Nacional de Comunicação: José Carlos da Fonseca - Gibran
Agência: Mídia Consulte Comunicação &Marketing 

Editora e Assessora de Imprensa:Viviane Barbosa MTB - 28121 
WhatsApp Redação: (11) 96948-7446


Siga a CNTTL nas redes sociais:
www.facebook.com/cnttloficial
www.twitter.com/cnttloficial
www.youtube.com/cnttl
Modalcast https://spoti.fi/2YAFWKn #Episódio 4

Mídia

Filiados

Canal CNTTL

+ Vídeos

Cobertura Especial

Parceiros

Boletim Online

Nome:
Email: