"Direitos dos portuários da CODESA são resultados das lutas do Suport-ES", destaca entidade sindical

A CNTTL publica a seguir artigo do Sindicato Unificado da Orla Portuária do Espírito Santo (Suport-ES) que traça uma panorama das conquistas nos acordos coletivos de trabalho junto à Companhia. 

Por: Cristiane Brandão, jornalista do Suport-ES
Publicação: 24/01/2022
Imagem de

Card do Suport-ES

A CNTTL publica a seguir artigo do Sindicato Unificado da Orla Portuária do Espírito Santo (Suport-ES), que traça uma panorama das conquistas nos acordos coletivos de trabalho junto à Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa), que está ameaçada de privatização. 

"Ter salários, benefícios e auxílios maiores que os oferecidos no mercado geral quer dizer que esses trabalhadores têm um sindicato combativo, persistente nos seus propósitos, incansável", destaca trecho do artigo.

O Suport-ES rebate a linha editorial de alguns veículos da imprensa capixaba que é favorável à venda do porto público, ao destacar que a Codesa é autossustentável. "O salário dos trabalhadores é pago pela companhia, e não pelo governo federal. É fruto do empenho de vários profissionais altamente capacitados e especializados, muitos operando dia e noite para receber o que lhes é devido no final do mês".

Leia a seguir:

 

Benefícios de Funcionários da CODESA são direitos legítimos conquistados em Acordo Coletivo

Os benefícios dos funcionários da Codesa, de carreira ou comissionados, são direitos conquistados em Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) entre a companhia docas e o Suport-ES, sindicato legítimo para representar a categoria. Todas as conquistas são resultado de anos a fio de reivindicações, reuniões, acordos judiciais, manifestações e até greves, para não retroceder nos direitos adquiridos para os trabalhadores.

Ter salários, benefícios e auxílios maiores que os oferecidos no mercado geral quer dizer que esses trabalhadores têm um sindicato combativo, persistente nos seus propósitos, incansável diante de tantos nãos.

Também mostra que, na verdade, a grande maioria das empresas privadas paga menos do que deveria para garantir a subsistência adequada do trabalhador e de sua família. 
A imprensa mesmo sofre com as mazelas da falta de anunciantes e a decadência do jornal impresso, e se rende ao idealismo econômico disfarçado de ideologia política para conseguir migalhas para se manter no mercado. 

Aos jornalistas que estão nas redações é pago salário de fome, sem falar no estresse e no assédio moral. Eles desconhecem o que é ser bem remunerado e dar condições dignas às suas famílias, talvez por isso estranhem esse sentimento de dignidade conquistado por muitos portuários.

Ao contrário de muitos veículos de comunicação, a Codesa justifica sim sua existência: além de ser um porto estratégico simplesmente por sua localização geográfica, em 2021 bateu recorde de movimentação, com 8 milhões de toneladas operadas pelos portuários. Em 2020, o lucro foi de R$ 30 milhões.

A Codesa é autossustentável, o salário dos trabalhadores é pago pela companhia, e não pelo governo federal. É fruto do empenho de vários profissionais altamente capacitados e especializados, muitos operando dia e noite para receber o que lhes é devido no final do mês. 
Tais benefícios também são conquistas de trabalhadores de outros terminais portuários e de empresas que trabalham com o justo reconhecimento aos serviços prestados.

A Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest), que idealizou o Relatório de Benefícios das Empresas Estatais Federais (Rebef), é o mesmo órgão que aprova os acordos coletivos celebrados entre Suport-ES e Codesa, também reconhecidos no Tribunal de Contas.

Além de gerar impostos para os municípios e Estado, também oferta empregos para cerca de 30 mil famílias que dependem da atividade portuária. 

Tudo parece mais uma jogada do governo federal para colocar a opinião pública contra os trabalhadores das empresas estatais federais, numa disputa onde só quem quer levar a melhor são as multinacionais, que vão faturar com a compra da Codesa, apenas a primeira da lista de várias que vão ser vendidas à iniciativa privada a preço de banana.

Diretoria do Suport-ES


Redação CNTTL

Secretário Nacional de Comunicação: José Carlos da Fonseca - Gibran
Agência: Mídia Consulte Comunicação &Marketing 

Editora e Assessora de Imprensa:Viviane Barbosa MTB - 28121 
E-mail: jornalismo@midiaconsulte.com.br



Siga a CNTTL nas redes sociais:
www.facebook.com/cnttloficial
www.twitter.com/cnttloficial
www.youtube.com/cnttl
 

Mídia

Filiados

Canal CNTTL

+ Vídeos

Cobertura Especial

Parceiros

Boletim Online

Nome:
Email: