CPI da Covid deve investigar recusa de Bolsonaro em comprar vacinas

Para cientista política Mayra Goulart (UFRJ), se a CPI conseguir documentos que comprovem que ofertas de imunizantes foram rejeitadas, estaria configurado um “crime contra a humanidade” cometido pelo governo

Por: Redação Rede Brasil Atual
Publicação: 06/05/2021
Imagem de CPI da Covid deve investigar recusa de Bolsonaro em comprar vacinas

Marcos Corrêa/PR

São Paulo – Os depoimentos dos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, na CPI da Covid, confirmaram a obsessão do presidente Jair Bolsonaro em defesa do uso da cloroquina para pacientes contaminados pela covid-19.

Eles destacaram que tanto naquele momento como agora, não há estudos científicos que comprovam a eficácia dessa substância no tratamento da doença.

Também confirmaram que a ordem para a ampliação da produção de cloroquina pelo laboratório do Exército não partiu do ministério. A partir desta quinta-feira (6), quando serão ouvidos pela comissão o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os atrasos no Plano Nacional de Imunizações (PNI), em função da falta de vacinas, devem ser o foco principal das investigações da CPI da Covid.

Na semana que vem, prestam depoimento o ex-chefe da Secretaria de Comunicação Fabio Wajngarten e representantes da farmacêutica Pfizer. Também comparecerão a presidenta da Fiocruz, Nísia Trindade, e o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas. E ainda o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo e o presidente da farmacêutica União Química, Fernando de Castro Marques, empresa que tenta obter autorização para a utilização no Brasil da vacina russa Sputnik V.

 
Crime contra a humanidade
De acordo com a professora da Ciência Política da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Mayra Goulart, as investigações da CPI devem focar na obtenção de documentos que comprovem que o governo Bolsonaro deliberadamente recusou a compra de vacinas. Pelo menos 11 ofertas por parte das farmacêuticas internacionais foram rejeitadas pelo governo federal, desde agosto do ano passado.

Para ela, se as recusas forem confirmadas, trata-se de “crime contra a humanidade”. “Centenas de milhares de pessoas morreram porque as vacinas foram rejeitadas. O governo federal adotou política cética contra as vacinas. E certamente continua mantendo essa postura. Esse caráter errático do PNI é um crime contra a humanidade”, afirmou em entrevista ao Jornal Brasil Atual.


Diversionismo
Acuado diante das investigações, Bolsonaro voltou a insinuar que o novo coronavírus teria sido criado pelos chineses. “É um vírus novo. Ninguém sabe se nasceu em laboratório ou nasceu por algum ser humano ingerir um animal inadequado. Mas está aí. Os militares sabem o que é guerra química, bacteriológica e radiológica. Será que não estamos enfrentando uma nova guerra? Qual o país que mais cresceu o seu PIB? Não vou dizer para vocês”, disse o presidente nesta quarta-feira (5), durante cerimônia no Palácio do Planalto.

O deputado federal Fausto Pinato (PP-SP), presidente da Frente Parlamentar Brasil-China, reagiu a tais declarações. Em nota, ele disse estar preocupado sobre “possível desvio de personalidade da maior autoridade do Brasil”. “A meu ver, não se trata de uma pessoa irresponsável, desequilibrada e sem noção de mundo”. Ademais, o parlamentar chegou a cogitar “grave doença mental”, recomendando a “interdição civil” do presidente.

Para Mayra, trata-se de mais uma “manobra diversionista” para tentar atrapalhar as investigações da CPI. Nesse sentido, ela disse se tratar de um “factoide” já ultrapassado. Além disso, uma comissão da Organização Mundial de Saúde (OMS), esteve na cidade de Wuhan, para investigar as origens da pandemia. Os investigadores, inclusive norte-americanos, descartaram, no entanto, a hipótese de que o vírus tivesse escapado de um laboratório chinês.


Redação CNTTL

Secretário Nacional de Comunicação: José Carlos da Fonseca - Gibran
Agência: Mídia Consulte Comunicação &Marketing 

Editora e Assessora de Imprensa:Viviane Barbosa MTB - 28121 
E-mail: jornalismo@midiaconsulte.com.br



Siga a CNTTL nas redes sociais:
www.facebook.com/cnttloficial
www.twitter.com/cnttloficial
www.youtube.com/cnttl
 

Mídia

Filiados

Canal CNTTL

+ Vídeos

Cobertura Especial

Parceiros

Boletim Online

Nome:
Email: