SNA denuncia GOL e Azul por assédio moral na pandemia ao Ministério Público do trabalho

Segundo a diretora, Patrícia Gomes gestores estão cobrando a participação dos funcionários em grupos de WhatsApp e WorkPlace fora do horário de trabalho.

Por: Redação CNTTL com Claudia Fonseca/Agência Amora
Publicação: 14/08/2020
Imagem de SNA denuncia GOL e Azul por assédio moral na pandemia ao Ministério Público do trabalho

foto: Google

Na aviação civil, o assédio moral sempre foi lamentavelmente alvo de denúncias dos trabalhadores contra suas chefias e gestores. Essa prática ilegal e covarde que expõe o funcionário (a) ao vexame e constrangimento moral aumentou neste tempo de pandemia de COVID-19, segundo informa o SNA (Sindicato Nacional dos Aeroviários).

Agora a exposição é virtual, segundo denúncias recebidas pelo Sindicato gestores estão cobrando a participação dos funcionários em grupos de WhatsApp e WorkPlace fora do horário de trabalho.

Patrícia Gomes, diretora sindical responsável pelos aeroportos da região sul do Brasil, entrou com denúncias no MPT (Ministério Público do Trabalho) contra a Gol e Azul, pela prática irregular das chefias.

Segundo o advogado trabalhista Álvaro Quintão, responsável pela assessoria jurídica do SNA, a cobrança fora do horário de trabalho pode ser considerada assédio moral ou sobreaviso. “No caso do sobreaviso, o trabalhador tem direito a receber uma adicional no salário por ficar acessível à empresa fora de sua jornada. É diferente das horas extras, já que ele está em casa no aguardo de ordens de trabalho”, explica.

A sindicalista conta que as empresas já foram questionadas se o WhatsApp é uma ferramenta oficial de trabalho, mas não houve retorno. “Algumas gestões adotaram a política de exigir que funcionários sejam mais ativos nos grupos, fora de sua jornada laboral, ou insistem em debater por mensagens temas relacionados ao trabalho, quando o profissional está descansando em casa”, conta a diretora do SNA. Ela cita casos como o de profissionais que denunciaram notificações por parte da empresa por não atenderem chamadas em plena madrugada.

Antes de acionar o MPT, a direção do SNA enviou ofícios e e-mails para a direção das companhias aéreas, sem qualquer retorno. A denúncia abrange as empresas Gol e Azul dos aeroportos da região sul cobertos pelos SNA. Quem tiver casos similares em outras gestões que sejam base deste Sindicato, deve acionar um representante sindical e notificar o caso. A identidade do funcionário fica protegida.

Assédio moral 
Segundo Patrícia, há casos de funcionários que relatam ouvir dos gestores frases como: “Você sabe como o mercado está, né? Com a pandemia, agradeça por manter o seu emprego”. A coação é tão comum e aparentemente sutil, que os profissionais sequer têm a compreensão de que sofrem assédio moral.

“Este tipo de discurso funciona como uma ameaça velada que pode desestabilizar o aeroviário, principalmente em um momento tão delicado da aviação civil. Trabalhadores e trabalhadoras precisam entender que a prática é considerada assédio moral, passível de processo jurídico contra a empresa e contra o gestor”, explica Patrícia, diretora do SNA.

– Denúncias sobre assédio moral;
– Insistência na participação ativa em grupos de WhatsApp e demais redes sociais;
– Cobranças por mensagens fora do horário de trabalho;

Devem ser direcionadas aos representantes sindicais de suas bases. Segundo o SNA, os aeroviários também podem encaminhar relatos para o e-mail atendimento@sna.org.br. A identidade do trabalhador fica preservada.
 


Redação CNTTL

Secretário Nacional de Comunicação: José Carlos da Fonseca - Gibran
Agência: Mídia Consulte Comunicação &Marketing 

Editora e Assessora de Imprensa:Viviane Barbosa MTB - 28121 
WhatsApp Redação: (11) 96948-7446


Siga a CNTTL nas redes sociais:
www.facebook.com/cnttloficial
www.twitter.com/cnttloficial
www.youtube.com/cnttl
Modalcast https://spoti.fi/2YAFWKn #Episódio 4

Mídia

Filiados

Canal CNTTL

+ Vídeos

Cobertura Especial

Parceiros

Boletim Online

Nome:
Email: