Modal Ferroviário

História da ferrovia no Brasil

O transporte ferroviário chegou ao Brasil através de D. Pedro II, príncipe regente, que deu concessão a Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá (Natural de Arroio Rio Grande do Sul).

No dia 30 de abril de 1854, em Petrópolis no Rio de Janeiro, o primeiro trem percorreu uma distância de 14 km de ferrovia que ligava a Baía de Guanabara à Raiz da Serra. Esta primeira estrada de ferro brasileira recebeu o nome de D. Pedro II e mais tarde tornou-se a Central do Brasil. A primeira locomotiva foi carinhosamente apelidada de “Baronesa”.

Houve um aumento de ramais nas ferrovias gaúchas que passaram de 2.300km para 3650km. Em média acontecia cerca de 70 transportes de passageiros no Rio Grande do Sul diariamente.

Em 30 de setembro de 1957, surgiu a Rede Ferroviária Federal (RFFSA)em conseqüência da decadência das “ estradas de ferro” existentes no Brasil.

As 42 ferrovias que existiam foram incorporadas a nova rede ferroviária num sistema de regionais, resumidas em 18. Mais uma vez, houve um grande avanço, surgindo neste período os trens de luxo.

Também as linhas foram remodeladas, sendo melhorados os traçados dos trilhos, substituídos os dormentes de madeira por concreto.

Mas, não resistindo à concorrência das rodovias, em 1977, a Rede Ferroviária Federal foi desestatizada, sendo criados seis sistemas regionais. Porém, em 5 de dezembro de 1999, a RFFSA foi extinta, sendo criada a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT), que ainda hoje é o órgão que fiscaliza e controla o pouco que sobrou do transporte ferroviário no país.

A primeira ferrovia no mundo surgiu na Inglaterra em 27 de setembro de 1825.

 

30 mil Km de ferrovias

O Brasil dispõe de apenas 30 mil Km de malha ferroviária (1998). A própria Argentina - bem menor que o Brasil -, possui mais de 35 mil km de ferrovias e os Estados Unidos, mais de 170 mil.

Cerca de 35% das ferrovias operam há mais de 60 anos. Em 1998 foram transportados cerca de 353 milhões de toneladas de cargas (19,9% do total do país). Foram conduzidos também 393 milhões de pessoas se considerados o transporte de interior e o de subúrbio. Da receita do setor, cerca de 96% vêm do movimento de carga.

Em maio de 2003, o governo lançou, ainda, o Plano de Revitalização das Ferrovias e o Programa de Expansão da malha ferroviária, através do qual estão sendo construídas a Ferrovia Norte-Sul e a Transnordestina, com investimentos privados de cerca de R$ 4,5 bilhões.

Nas ferrovias, o transporte de cargas passou de R$ 170 bilhões, em 2002, para R$ 225,8 bilhões, em 2005, um crescimento de 32%.

 

Fonte: Wikipédia; museu Porto Grande; CNT e Portal Brasil Transportes.

Mídia

Canal CNTTL

+ Vídeos

Cobertura Especial

Parceiros

Boletim Online

Nome:
Email: