Treinamento internacional da ITF capacita sindicalista do setor aéreo para defender as mulheres nos locais de trabalho

É a primeira vez que esse programa é ministrado no Brasil em parceria com o Sina

Por: Viviane Barbosa, da Redação CNTTL/CUT
Publicação: 08/05/2018
Imagem de Treinamento internacional da ITF capacita sindicalista do setor aéreo para defender as mulheres nos locais de trabalho

Sindicalistas dos transportes durante o Treinamento da ITF "Defensoras das Mulheres" - foto: Viviane Barbosa/Mídia Consulte

Se tornar uma “ativista sindical” para lutar por ambientes de trabalho seguros e combater todos os tipos de violência é o foco do “Treinamento de Defensoras das Mulheres ou “Women's Advocacy”, uma iniciativa da ITF (Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes), que reúne 35 mulheres sindicalistas do setor aéreo (aeroportuárias, aeroviárias e aeronauta) de várias regiões do país. 

Também participam do evento, que iniciou no dia (7) e termina nesta quarta-feira em Guarulhos, cidade vizinha a São Paulo, dirigentes dos condutores de Guarulhos e dos Rodoviários de Sorocaba e uma companheira ferroviária do Rio de Janeiro.

É a primeira vez que esse Treinamento da ITF é ministrado no Brasil, inicialmente com o setor aéreo, em parceria com o Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina). O programa conta com o apoio da Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil da CUT (FENTAC).


Claire Clarke e diretora da Secretaria de Igualdade de Gênero da ITF, a canadense Jodi Evans - foto: Viviane Barbosa/Mídia Consulte 
 

O papel das defensoras das mulheres

Durante o Treinamento, as trabalhadoras do setor aéreo compartilharam experiências sofridas de assédio moral no trabalho, violência doméstica e assistiram vídeos do programa “Defensoras das Mulheres” da ITF,  que mostraram situações de violência no trabalho, destacando qual é o papel da defensora para atuar nesses casos.

“É fundamental  ter uma escuta ativa, neutra e  resistir ao impulso de dar conselhos. Tem que focar na questão do problema que está afligindo aquela mulher vítima de violência e fazer perguntas esclarecedoras. É importante também ver os sinais de alerta, leve a sério suas suspeitas e preocupações. Conduza qualquer intervenção com segurança e respeito. Busque ajudar, fazendo encaminhamentos, caso a violência está em casa, busque  ajuda em Casas de Apoio ou chame a Polícia, se for emergência”, explicou a diretora da Secretaria de Igualdade de Gênero da ITF, a canadense Jodi Evans, que ministrou o Treinamento junto com a assessora da entidade, Claire Clarke.

A ativista Jodi disse que o programa existe há 20 anos e começou no Sindicato dos Trabalhadores do Setor de Automóveis do Canadá. Hoje têm 450 sindicalistas “defensoras” que atuam em muitos locais de trabalho e em vários setores da economia canadense.

“Com o apoio da Unifor e da ITF iniciamos esse treinamento em países como o Nepal, Índia, Austrália e Líbia, Peru e agora no Brasil. Temos observado que as mulheres sindicalistas desses países contam a mesma história sobre a violência sofrida e o quanto interferem em suas vidas. Por isso precisamos capacitar mais ativistas para criarem um programa sustentável, criando espaços seguros nos locais de trabalho para as mulheres compartilharem suas histórias e buscarem apoio”, esclarece Jodi.

A rodoviária de Sorocaba e diretora da CNTTL, Kelly Cristina Faria, contou uma experiência que tem ajudado as trabalhadoras na cidade. Trata-se de um “Botão de pânico" que pode ser acionado por meio de um Aplicativo, instalado no celular da mulher, que a ajuda em casos de incidentes dentro do transporte coletivo.

 


Mara e as diretoras da ITF conversam sobre aplicar esse Treinamento para as todas as trabalhadoras em transportes da base da CNTTL - foto: Viviane Barbosa/Mídia Consulte 

Treinamento atingirá todos modais de transportes

O balanço do Treinamento da ITF foi considerado muito produtivo, segundo Mara Meiry, dirigente do Sina, Secretária das Mulheres da CNTTL e  coordenadora da atividade. A sindicalista disse ao Portal da CNTTL que esse evento é um “marco”, considerando o momento político que o Brasil atravessa atualmente,no qual os direitos da classe trabalhadora estão regredindo em razão das políticas nefastas do governo federal.

“Estou muito surpresa com o interesse, a dedicação e a participação de todas as companheiras, independente do setor. O setor aéreo foi o primeiro, em virtude de uma moção que aprovamos no Congresso das Mulheres em Transportes da ITF em Marrakesh, no Marrocos. Denunciamos  a violência no trabalho sofrida por uma aeroviária da empresa aérea Azul, que sofreu discriminação de um passageiro. Junto com a ITF vamos estender esse Treinamento para todas as trabalhadoras em transportes dos modais rodoviário, portuário, metro-ferroviário, cargas e viário em todo o país”, finaliza Mara.  

#EsseÉNossoMundoTambém 
#ThisIsOurWorldToo

 

 


Grupo de sindicalistas do setor da aviação fizeram treinamento avançado para serem as “formadoras de defensoras das mulheres” nos locais de trabalho: foto: divulgação 


 


As diretoras da ITF com Kelly Cristina, diretora dos Rodoviários de Sorocaba e da CNTTL - foto: Mídia Consulte

 


 

Transportando CNTTL-CUT
Secretário Nacional de Comunicação: José Carlos da Fonseca - Gibran
Agência: Mídia Consulte Comunicação

Editora:Viviane Barbosa MTB - 28121 
Redatora: Vanessa Barboza MTB-74572
Assessoria de Comunicação: Mídia Consulte 
Redação: Imprensa /CNTTL :: Transportando o Brasil 
Siga-nos: http://www.twitter.com/cnttcut
Flickr: http://www.flickr.com/photos/cnttcut/

Mídia

Canal CNTTL

+ Vídeos

Cobertura Especial

Parceiros

Boletim Online

Nome:
Email: